Pular para o conteúdo principal

NOVA TESE PARA APLICAÇÃO DO TETO CONSTITUCIONAL NAS ACUMULAÇÕES DE CARGOS

O Supremo Tribunal Federal finalmente decidiu, em repercussão geral, que o teto remuneratório deve incindir sobre cada uma das remunerações do servidor que acumula licitamente dois cargos públicos, afastando a incidência sobre o somatório, diversamente, aliás, do que vinha aplicando, há muito, a Administração Federal por conta de jurisprudência pacífica advinda do TCU. Vale a leitura da decisão:

Decisão: O Tribunal, por maioria e nos termos do voto do Relator, vencido o Ministro Edson Fachin, apreciando o tema 384 da repercussão geral, negou provimento ao recurso e fixou a seguinte tese de repercussão geral: "Nos casos autorizados constitucionalmente de acumulação de cargos, empregos e funções, a incidência do art. 37, inciso XI, da Constituição Federal pressupõe consideração de cada um dos vínculos formalizados, afastada a observância do teto remuneratório quanto ao somatório dos ganhos do agente público". Presidiu o julgamento a Ministra Cármen Lúcia. Plenário, 27.4.2017 (RE 602043 e RE 612975)



Não é demais lembrar que a decisão põe por terra, igualmente, a Resolução nº 13, de 21 de março de 2006, do Conselho Nacional de Justiça, que ora regulamentou a aplicação do teto no âmbito do Poder Judiciário e estabeleceu, para os servidores públicos, a incidência do teto sobre o somatório das remunerações (exclui-se dessa sistemática, na oportunidade, os magistrados).

Tratamos do tema em livro de nossa lavra, onde ressaltamos:
O Conselho Nacional de Justiça disciplinou, por intermédio da Resolução nº 13, de 21 de março de 2006, a aplicação do teto remuneratório e do subsídio, especificando quais as parcelas que foram extintas e quais as que foram mantidas com a nova sistemática remuneratória, revelando, ainda, quais as verbas que estão sujeitas à incidência do teto constitucional e quais as que foram excluídas do referido limite. A Resolução nº 14, de 21 de março de 2006, também baixada pelo Conselho Nacional de Justiça, disciplinou a aplicação do teto aos servidores do Poder Judiciário e aos membros da magistratura dos Estados que não adotam o subsídio.Para entender melhor o disciplinamento da matéria, é preciso lembrar que o regime de subsídio não se confunde com o teto constitucional, embora estejam intrinsecamente interligados[1]. O primeiro é a forma pela qual passam ou passarão a ser pagos os membros de Poder e demais agentes enumerados no Texto Maior[2], enquanto que o teto constitucional é o valor máximo permitido para remunerar os agentes públicos. Embora todos os agentes públicos que recebam, direta ou indiretamente[3], pelos cofres públicos estejam sujeitos ao teto constitucional, nem todos estão obrigados ao regime de subsídio, cuja implementação, de toda sorte, dependerá sempre de lei que o institua e que o altere.No caso dos membros do Poder Judiciário, o regime de subsídio é obrigatório e foi instituído pela Lei nº 11.143, de 26.7.2005, que fixou o valor do subsídio dos Ministros do STF. Esse valor, por efeito do inciso XI do art. 37 da Constituição, é o limite máximo permitido para remunerar os agentes públicos no âmbito da União e, a partir da decisão do STF na ADI 3.854 MC/DF, também o é para os membros da magistratura estadual, do qual se excluem, apenas, as parcelas de caráter indenizatório, a teor do que prescreve o § 11º do art. 37 da Constituição, com redação dada pela Emenda nº 47/2005, c/c o art. 4º da mesma Emenda.A par desse breve roteiro, a disciplina da matéria pelo Conselho Nacional de Justiça causa um certo desconforto, porque, em tese, a remuneração ou o subsídio, os proventos e as pensões, percebidos cumulativamente ou não, assim como todas as vantagens de natureza remuneratória deveriam ingressar na incidência do teto constitucional sem distinção acerca da categoria de agentes que a ele estão subordinados, o que aparentemente não ocorreu, na medida em que as Resoluções nº 13 e 14, de 21 de março de 2006, excluem do teto, tão-somente, “a remuneração ou provento decorrente do exercício do magistério, nos termos do art. 95, parágrafo único, inciso I, da Constituição Federal”, de aplicação restrita à magistratura. Deixou de ser aplicado igual entendimento aos servidores públicos a despeito do contido nos incisos XVI e XVII do art. 37 da Constituição, de natureza idêntica ao art. 95, parágrafo único, inciso I.
Na verdade, como dito alhures, a ingerência do teto sobre as remunerações ou proventos decorrentes de acumulações permitidas não está em harmonia com o Texto Maior. E o Conselho Nacional de Justiça bem observou isso com relação aos magistrados que exercem o magistério. Tome-se como exemplo os Ministros do STF – o exercício do magistério nas Universidades Públicas seria integralmente gratuito, o que afrontaria a Constituição - fere a dignidade da pessoa humana e a ordem social que tem, no trabalho, o seu fundamento maior. A situação dos servidores não é diferente: as hipóteses de acumulação permitidas encontram-se, também, na Constituição, a clamar pela isonomia de tratamento. (Alvares, Maria Lúcia Miranda, Regime Próprio de Previdência Social, São Paulo, Editora NDJ, 2007)

Em seu voto, o Relator, Ministro Marco Aurélio, reafirmou a sua tese acerca da inconstitucionalidade da expressão ‘percebidos cumulativamente ou não’, contida no inciso XI do artigo 37 da Constituição Federal, com redação dada pela Emenda Constitucional 41/03, tese esta apresentada na Primeira Sessão Administrativa do STF, realizada em 5 de fevereiro de 2004, por ocasião da apreciação do Processo 319.269. 

A decisão em Repercussão Geral representa um avanço da matéria e um ganho ao servidor que acumula licitamente dois cargos públicos.


[1]Maria Lúcia Miranda Alvares. O Regime de Subsídio da Magistratura: breves comentários. São Paulo: Editora NDJ, BDA nº 1, 2006, pp. 65/66.
[2] Art. 37, § 4º; art. 128, § 5º, I. c; art. 135; art. 73, § 3º e art. 144, § 9º, da Constituição, com redação dada pela EC nº 19/98.
[3] Aplica-se o teto aos servidores integrantes das autarquias e das fundações, assim como aos empregados de sociedade de economia mista e empresas públicas, e respectivas subsidiárias, que recebam recursos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios para pagamento de despesas de pessoa ou de custeio em geral, nos termos do § 9º do art. 37 da Constituição.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LICENÇAS SEM REMUNERAÇÃO: DIREITOS E RESTRIÇÕES. BREVES CONSIDERAÇÕES.

                              Por Maria Lúcia Miranda Alvares [1] Resumo : Quando o servidor público é contemplado com a concessão de licença para trato de interesses particulares ou é submetido a outro tipo de licença sem remuneração não imagina que pode estar suprimindo, para o efeito de aposentadoria, um ou mais requisitos que lhe conferem ensejo à implementação das condições prescritas para tal fim; assim como não percebe que esse tipo de licença pode afetar outras áreas de sua relação funcional, de modo que este artigo visa oferecer luzes sobre o tema, trazendo à baila interpretação da legislação alicerçada na jurisprudência pátria. PALAVRAS CHAVE:  licença sem vencimentos; acumulação de cargos; processo disciplinar; abono de permanência; tempo de contribuição; tempo de serviço público. (i) Da Contextualização do tema                 A Constituição e as legislações estatutárias fazem previsão de períodos de interrupção ou suspensão da prestação do serviço em f

ARTIGO: DA CONVERSÃO DA LICENÇA PRÊMIO NÃO GOZADA EM PECÚNIA. DIREITOS ENVOLVIDOS

                            Por Maria Lúcia Miranda Alvares [1] Resumo: O entendimento favorável à conversão da licença-prêmio assiduidade em pecúnia por ocasião da ruptura do vínculo jurídico do servidor público, mormente por ocasião da aposentadoria, tem gerado insatisfações com respeito às teses acolhidas em relação à prescrição do direito e da contagem em dobro para o fim de aposentadoria. Neste trabalho a pretensão é trazer luzes ao debate diante dos posicionamentos oficialmente adotados. Palavras chave: conversão em pecúnia, licença-prêmio assiduidade; tempo de serviço, contagem em dobro, aposentadoria.

ARTIGO: DA AVERBAÇÃO DO TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO ÀS ENTIDADES PRIVADAS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

         Por Maria Lúcia Miranda Alvares [1]    Resumo 1. Averbação de tempo de serviço prestado a empresas públicas e a sociedades de economia mista federais, integrantes da Administração Indireta, para todos os efeitos legais, com base no art. 100, da Lei nº 8.112, de 1990.  Entendimento consolidado junto ao Tribunal de Contas da União. 2. Cenário Jurídico, em sede doutrinária e jurisprudencial, acerca da dicotomia entre as empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de serviço público e exploradoras de atividade econômica. Considerações.  3. Necessidade de adoção, em face do princípio da isonomia, do entendimento firmado pelo Tribunal de Contas da União, ainda que em sede administrativa. Palavras Chave : averbação, tempo de serviço público e efeitos jurídicos.