Pular para o conteúdo principal

PONTO DE VISTA: EM TEMPO DE CONVERSA SOBRE OS CONFLITOS E DIVERGÊNCIAS ENTRE TCU E CNJ


           Este Blog já postou artigos e notícias em que se podem verificar divergências de entendimentos entre o Tribunal de Contas da União e o Conselho Nacional de Justiça.
         
                   É sabido que o Conselho Nacional de Justiça é um órgão de controle interno do Judiciário e, como tal, as suas decisões somente impõem aos órgãos do Judiciário. O Tribunal de Contas da União, por sua vez, é órgão auxiliar do Poder Legislativo e atua como órgão de controle externo, de modo que as suas recomendações têm abrangência sobre todos os demais órgãos, inclusive os que integram o Judiciário.
          Não obstante o papel institucional de cada qual, presente no Texto Maior, tem-se observado que algumas decisões do Conselho Nacional de Justiça não encontram ressonância nas proferidas pelo Tribunal de Contas da União, e vice versa. São divergências claras, embora com registros obscuros dos pontos de vista dissonantes por parte de cada qual, a exemplo do ocorrido com o instituto da redistribuição (v. artigo Redistribuição por Reciprocidade).
          Certamente não é salutar que os destinatários das normas sobre as quais incidem os atos de controle, e que, ao final, conferem as diretrizes para o desenvolvimento das ações administrativas, sejam vitimados por interpretações divergentes de regras que lhes são aplicáveis à generalidade. Aliás, a aplicação diversa de uma mesma regra jurídica no âmbito da Administração Pública em face de divergências entre os órgãos de controle somente demonstra a necessidade de melhor entendimento ou aperfeiçoamento do sistema.
           Pois bem, essa preocupação, ao final, parece ter batido à porta do Presidente do Tribunal de Contas da União, Ministro Benjamin Zymler, que, no dia 18 de julho[1], em visita ao Presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, conversou sobre o tema e registrou conversa havida com o Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Carlos Ayres Brito, no sentido de criação de uma comissão conjunta com vistas à resolução ou minimização das divergências.
           O imbróglio, na verdade, tem solução na sistemática presente na própria Constituição da República, que ora submete os controles internos à preponderância institucional do controle externo (v. Art. 74, IV), em que pesem as características especiais do CNJ enquanto instituição interna de controle do Judiciário, mas o melhor caminho, certamente, é buscar a harmonização e o resguardo das missões institucionais de cada qual. 

                                                                                              Maria Lúcia Miranda Alvares

[1] Conforme notícia veiculada pela Revista Consultor Jurídico, de 19 de julho de 2012.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

REQUISITO PARA APOSENTADORIA - CINCO ANOS NO CARGO: ENTENDIMENT0 FIRMADO PELO STF

 Neste mês de abril de 2022, em sede de repercussão geral, o STF firmou a seguinte tese: " A promoção por acesso de servidor a classe distinta na carreira não representa ascensão a cargo diverso daquele em que já estava efetivado, de modo que, para fins de aposentadoria, o prazo mínimo de cinco anos no cargo efetivo, exigido pelo artigo 40, § 1º, inciso III, da Constituição Federal, na redação da Emenda Constitucional 20/1998, e pelos artigos 6º da Emenda Constitucional 41/2003 e 3º da Emenda Constitucional 47/2005, não recomeça a contar pela alteração de classe. ” (Tema 1.207, RE 1.322.195) A tese teve por escopo definir os contornos do requisito para concessão de aposentadoria no RPPS aos servidores albergados pelas regras das Emendas 20/98, 41/2003 e 47/2005 no que tange à exigência de cinco anos no cargo em que se der a aposentadoria.  Embora a referida tese não se confunda com a conferida pelo Tema 578 da Repercussão Geral/STF, que diz respeito ao entendimento acerca da regra

ARTIGO: DA AVERBAÇÃO DO TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO ÀS ENTIDADES PRIVADAS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

         Por Maria Lúcia Miranda Alvares [1]    Resumo 1. Averbação de tempo de serviço prestado a empresas públicas e a sociedades de economia mista federais, integrantes da Administração Indireta, para todos os efeitos legais, com base no art. 100, da Lei nº 8.112, de 1990.  Entendimento consolidado junto ao Tribunal de Contas da União. 2. Cenário Jurídico, em sede doutrinária e jurisprudencial, acerca da dicotomia entre as empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de serviço público e exploradoras de atividade econômica. Considerações.  3. Necessidade de adoção, em face do princípio da isonomia, do entendimento firmado pelo Tribunal de Contas da União, ainda que em sede administrativa. Palavras Chave : averbação, tempo de serviço público e efeitos jurídicos.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO NEGA REGISTRO ÀS APOSENTADORIAS COM PARCELA DE QUINTOS ADQUIRIDOS NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 8/4/1998 A 4/9/2001.

Em que pese a questão dos "quintos" ainda se encontrar aberta para novo julgamento junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), o Tribunal de Contas da União (TCU) tem negado registro a diversas aposentadorias que congregavam a concessão de proventos com parcelas de quintos adquiridas no período entre a edição da Lei nº 9.624/1998, de 8/4/1998, e da MP nº 2.225-48/2001, de 4/9/2001 (v. Acórdãos nº s 5.380/2016, 8.788/2016 e nº 8588/2017 - todos da Segunda Câmara). O TCU não chega a analisar, em cada caso, a origem da concessão - se advinda de decisão judicial ou administrativa - assim como não faz remissão ao fato de a eficácia da decisão proferida no Recurso Extraordinário nº 638.115/Ceará encontrar-se suspensa por efeito de oposição de segundos embargos de declaração. Ou seja, faltou cautela, portanto, ao Órgão de Contas, quanto à avaliação da definitividade da matéria, pois deixou de aguardar o trânsito em julgado da decisão proferida pelo STF para assim esposar sua avali