Pular para o conteúdo principal

PONTO DE VISTA: EM TEMPO DE CONVERSA SOBRE OS CONFLITOS E DIVERGÊNCIAS ENTRE TCU E CNJ


           Este Blog já postou artigos e notícias em que se podem verificar divergências de entendimentos entre o Tribunal de Contas da União e o Conselho Nacional de Justiça.
         
                   É sabido que o Conselho Nacional de Justiça é um órgão de controle interno do Judiciário e, como tal, as suas decisões somente impõem aos órgãos do Judiciário. O Tribunal de Contas da União, por sua vez, é órgão auxiliar do Poder Legislativo e atua como órgão de controle externo, de modo que as suas recomendações têm abrangência sobre todos os demais órgãos, inclusive os que integram o Judiciário.
          Não obstante o papel institucional de cada qual, presente no Texto Maior, tem-se observado que algumas decisões do Conselho Nacional de Justiça não encontram ressonância nas proferidas pelo Tribunal de Contas da União, e vice versa. São divergências claras, embora com registros obscuros dos pontos de vista dissonantes por parte de cada qual, a exemplo do ocorrido com o instituto da redistribuição (v. artigo Redistribuição por Reciprocidade).
          Certamente não é salutar que os destinatários das normas sobre as quais incidem os atos de controle, e que, ao final, conferem as diretrizes para o desenvolvimento das ações administrativas, sejam vitimados por interpretações divergentes de regras que lhes são aplicáveis à generalidade. Aliás, a aplicação diversa de uma mesma regra jurídica no âmbito da Administração Pública em face de divergências entre os órgãos de controle somente demonstra a necessidade de melhor entendimento ou aperfeiçoamento do sistema.
           Pois bem, essa preocupação, ao final, parece ter batido à porta do Presidente do Tribunal de Contas da União, Ministro Benjamin Zymler, que, no dia 18 de julho[1], em visita ao Presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, conversou sobre o tema e registrou conversa havida com o Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Carlos Ayres Brito, no sentido de criação de uma comissão conjunta com vistas à resolução ou minimização das divergências.
           O imbróglio, na verdade, tem solução na sistemática presente na própria Constituição da República, que ora submete os controles internos à preponderância institucional do controle externo (v. Art. 74, IV), em que pesem as características especiais do CNJ enquanto instituição interna de controle do Judiciário, mas o melhor caminho, certamente, é buscar a harmonização e o resguardo das missões institucionais de cada qual. 

                                                                                              Maria Lúcia Miranda Alvares

[1] Conforme notícia veiculada pela Revista Consultor Jurídico, de 19 de julho de 2012.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

REQUISITO PARA APOSENTADORIA - CINCO ANOS NO CARGO: ENTENDIMENT0 FIRMADO PELO STF

 Neste mês de abril de 2022, em sede de repercussão geral, o STF firmou a seguinte tese: " A promoção por acesso de servidor a classe distinta na carreira não representa ascensão a cargo diverso daquele em que já estava efetivado, de modo que, para fins de aposentadoria, o prazo mínimo de cinco anos no cargo efetivo, exigido pelo artigo 40, § 1º, inciso III, da Constituição Federal, na redação da Emenda Constitucional 20/1998, e pelos artigos 6º da Emenda Constitucional 41/2003 e 3º da Emenda Constitucional 47/2005, não recomeça a contar pela alteração de classe. ” (Tema 1.207, RE 1.322.195) A tese teve por escopo definir os contornos do requisito para concessão de aposentadoria no RPPS aos servidores albergados pelas regras das Emendas 20/98, 41/2003 e 47/2005 no que tange à exigência de cinco anos no cargo em que se der a aposentadoria.  Embora a referida tese não se confunda com a conferida pelo Tema 578 da Repercussão Geral/STF, que diz respeito ao entendimento acerca da regra

QUESTÃO DE ORDEM PRÁTICA 3/2012 - DO DIREITO DOS SERVIDORES APROVADOS EM CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE OUTRO CARGO EFETIVO APÓS A INSTITUIÇÃO DO REGIME COMPLEMENTAR DE PREVIDÊNCIA.

PA, 6/4/2012          Enquanto se aguarda a sanção da Presidente da República à Lei que dispõe sobre o Regime de Previdência Complementar dos servidores públicos federais, cujo projeto foi aprovado nas duas Casas do Congresso Nacional [1] , alguns questionamentos brotam dos que podem vir a ser os destinatários diretos da norma: os novos concursados.        É sabido que os  servidores que ingressarem no serviço público após a instituição do Regime de Previdência Complementar (RPC) serão compulsoriamente guindados à sistemática do novo regime, qual seja: estarão sujeitos ao teto de benefício equivalente ao adotado pelo Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Em outras palavras, ingressam no Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) sob o contexto das novas regras e, como tal, passam a gozar do direito a proventos limitados ao patamar fixado para o RGPS, atualmente no valor de R$ 3.916,20. Não têm jus, desta feita, a teto de proventos equivalentes à remuneração da atividade.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO MANTÉM ENTENDIMENTO PELA ILEGALIDADE DE PERCEPÇÃO DE QUINTOS ENTRE 1998 E 2001 AINDA QUE DECORRENTE DE DECISÃO JUDICIAL TRANSITADA EM JULGADO

O Tribunal de Contas da União, em pedido de reexame, se posicionou, mais uma vez, pela negativa de registro de aposentadoria de servidores cujos proventos congregavam parcela de quintos adquiridos até 4/9/2001, ainda que decorrentes de decisão judicial transitada em julgado. Eis o teor do voto condutor da decisão, objeto do Acórdão n º 1502/2018 – TCU – 1ª Câmar a ,   para confronto da tese eleita: "2.                                 O direito à incorporação de quintos já se encontra pacificado e não mais se discute, valendo registrar, a propósito, a tese exarada pelo Supremo Tribunal Federal no RE 638.115, cujo julgamento se deu sob o regime de repercussão geral, na sessão do Plenário realizada em 19/3/2015, publicado no DJe de 3/8/2015, no qual ficou decidido ser indevida a incorporação de quintos de função no período compreendido entre a edição da Lei 9.624/1998, de 2/4/1998, e a Medida Provisória 2.225-45, de 4/9/2001, verbis : “Ofende o princípio da legalidade a d