Pular para o conteúdo principal

PONTO DE VISTA: EM TEMPO DE CONVERSA SOBRE OS CONFLITOS E DIVERGÊNCIAS ENTRE TCU E CNJ


           Este Blog já postou artigos e notícias em que se podem verificar divergências de entendimentos entre o Tribunal de Contas da União e o Conselho Nacional de Justiça.
         
                   É sabido que o Conselho Nacional de Justiça é um órgão de controle interno do Judiciário e, como tal, as suas decisões somente impõem aos órgãos do Judiciário. O Tribunal de Contas da União, por sua vez, é órgão auxiliar do Poder Legislativo e atua como órgão de controle externo, de modo que as suas recomendações têm abrangência sobre todos os demais órgãos, inclusive os que integram o Judiciário.
          Não obstante o papel institucional de cada qual, presente no Texto Maior, tem-se observado que algumas decisões do Conselho Nacional de Justiça não encontram ressonância nas proferidas pelo Tribunal de Contas da União, e vice versa. São divergências claras, embora com registros obscuros dos pontos de vista dissonantes por parte de cada qual, a exemplo do ocorrido com o instituto da redistribuição (v. artigo Redistribuição por Reciprocidade).
          Certamente não é salutar que os destinatários das normas sobre as quais incidem os atos de controle, e que, ao final, conferem as diretrizes para o desenvolvimento das ações administrativas, sejam vitimados por interpretações divergentes de regras que lhes são aplicáveis à generalidade. Aliás, a aplicação diversa de uma mesma regra jurídica no âmbito da Administração Pública em face de divergências entre os órgãos de controle somente demonstra a necessidade de melhor entendimento ou aperfeiçoamento do sistema.
           Pois bem, essa preocupação, ao final, parece ter batido à porta do Presidente do Tribunal de Contas da União, Ministro Benjamin Zymler, que, no dia 18 de julho[1], em visita ao Presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, conversou sobre o tema e registrou conversa havida com o Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Carlos Ayres Brito, no sentido de criação de uma comissão conjunta com vistas à resolução ou minimização das divergências.
           O imbróglio, na verdade, tem solução na sistemática presente na própria Constituição da República, que ora submete os controles internos à preponderância institucional do controle externo (v. Art. 74, IV), em que pesem as características especiais do CNJ enquanto instituição interna de controle do Judiciário, mas o melhor caminho, certamente, é buscar a harmonização e o resguardo das missões institucionais de cada qual. 

                                                                                              Maria Lúcia Miranda Alvares

[1] Conforme notícia veiculada pela Revista Consultor Jurídico, de 19 de julho de 2012.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LICENÇAS SEM REMUNERAÇÃO: DIREITOS E RESTRIÇÕES. BREVES CONSIDERAÇÕES.

                              Por Maria Lúcia Miranda Alvares [1] Resumo : Quando o servidor público é contemplado com a concessão de licença para trato de interesses particulares ou é submetido a outro tipo de licença sem remuneração não imagina que pode estar suprimindo, para o efeito de aposentadoria, um ou mais requisitos que lhe conferem ensejo à implementação das condições prescritas para tal fim; assim como não percebe que esse tipo de licença pode afetar outras áreas de sua relação funcional, de modo que este artigo visa oferecer luzes sobre o tema, trazendo à baila interpretação da legislação alicerçada na jurisprudência pátria. PALAVRAS CHAVE:  licença sem vencimentos; acumulação de cargos; processo disciplinar; abono de permanência; tempo de contribuição; tempo de serviço público. (i) Da Contextualização do tema                 A Constituição e as legislações estatutárias fazem previsão de períodos de interrupção ou suspensão da prestação do serviço em f

DA PERCEPÇÃO CUMULATIVA DA GRATIFICAÇÃO DE ATIVIDADE EXTERNA (GAE) COM QUINTOS/VPNI PELOS OFICIAIS DE JUSTIÇA AVALIADORES FEDERAIS

                                                                               Por Maria Lúcia Miranda Alvares [1] Síntese:  Diante das diversas teses construídas acerca da inviabilidade de acumulação da Gratificação de Atividade Externa (GAE), criada pela Lei nº 11.416/2006, com os quintos/décimos/VPNI decorrentes do exercício de função comissionada, antes Gratificação pela Representação de Gabinete, pelos Oficiais de Justiça Avaliadores federais, outras exsurgem para questionar o papel das instituições no bojo das decisões administrativas que conferiram ensejo à legitimação da sobredita irregularidade por longos anos. O presente ensaio visa, justamente, encontrar o fio condutor que levou à concessão cumulativa das vantagens de maneira uníssona e uniforme pelo Poder Judiciário da União, com o fim de resgatar a interpretação vigente à época e demonstrar a que a irresignação da categoria, em sede judicial, é legitima e merece receber tratamento consentâneo com a segurança jurídica que a

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO NEGA REGISTRO ÀS APOSENTADORIAS COM PARCELA DE QUINTOS ADQUIRIDOS NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 8/4/1998 A 4/9/2001.

Em que pese a questão dos "quintos" ainda se encontrar aberta para novo julgamento junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), o Tribunal de Contas da União (TCU) tem negado registro a diversas aposentadorias que congregavam a concessão de proventos com parcelas de quintos adquiridas no período entre a edição da Lei nº 9.624/1998, de 8/4/1998, e da MP nº 2.225-48/2001, de 4/9/2001 (v. Acórdãos nº s 5.380/2016, 8.788/2016 e nº 8588/2017 - todos da Segunda Câmara). O TCU não chega a analisar, em cada caso, a origem da concessão - se advinda de decisão judicial ou administrativa - assim como não faz remissão ao fato de a eficácia da decisão proferida no Recurso Extraordinário nº 638.115/Ceará encontrar-se suspensa por efeito de oposição de segundos embargos de declaração. Ou seja, faltou cautela, portanto, ao Órgão de Contas, quanto à avaliação da definitividade da matéria, pois deixou de aguardar o trânsito em julgado da decisão proferida pelo STF para assim esposar sua avali