Pular para o conteúdo principal

QUESTÃO DE ORDEM PRÁTICA 5: READAPTAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO COMO CONDICIONANTE DA CONCESSÃO DA APOSENTADORIA POR INVALIDEZ


PA, 22/05/2012


             O Tribunal de Contas da União aprovou em sessão de 16 de maio de 2012, com publicação no Diário Oficial da União de 18 seguinte (Seção 1, pp. 152 e 167), a Súmula nº 273, que assim enuncia:

A aposentadoria por invalidez só poderá prosperar após a conclusão, por junta médica oficial, no sentido de que o servidor esteja incapacitado definitivamente para o exercício do cargo que ocupa e haja a impossibilidade de ser readaptado em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a respectiva limitação, nos termos do art. 24 da Lei nº 8.112/1990.
               


           Não é demais lembrar que a "Readaptação é a investidura do servidor em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física e mental verificada em inspeção médica" (art. 24 da lei nº 8.112/90), sendo certo que a junta médica constituída para avaliar o servidor, ao se deparar com a incapacidade, deverá verificar, desde logo, se é possível readaptá-lo antes de concluir pela aposentadoria por invalidez.


               Em outras palavras, se o servidor, no curso da vida funcional, ficar impossibilitado, física ou mentalmente, de exercer as atribuições do cargo ocupado, caberá à junta médica definir essa incapacidade e propor, se não o julgar incapaz para o serviço público, a sua readaptação em cargo com atribuições compatíveis com a sua limitação. Por lógico, se a inspeção médica julgar o servidor incapaz para o serviço público deverá propor não a sua readaptação, mas a sua aposentadoria por invalidez. Contudo, a avaliação primeira da junta médica deverá recair na possibilidade ou não de readaptação do servidor.

               A avaliação em favor da readaptação, contudo, deve levar em conta que se trata de hipótese de provimento derivado que comporta investidura do servidor em cargo diverso do exercido, de modo que, em regra, a análise da compatibilidade das limitações físicas e mentais do servidor com o exercício do novo cargo deverá verificar as características exigidas no Estatuto para tal proceder, a saber: o novo cargo deve ter atribuições afins, assim como a habilitação exigida para ingresso, o nível de escolaridade e os vencimentos devem ser equivalentes ao do cargo ocupado. A readaptação também exige, conforme outras formas de provimento, cargo vago, entretanto, a Lei nº 8.112, de 1990, autoriza, na hipótese de inexistência de cargo vago, que o readaptando exerça suas atribuições como excedente até a ocorrência de vaga (§ 2º do art. 24 da Lei nº 8.112/90). 


               Em termos procedimentais, não se pode esquecer que a readaptação dar-se-á por intermédio de ato administrativo específico, cuja publicação autoriza, desde logo, a investidura do servidor no respectivo cargo, cabendo ressaltar que não haverá posse em face da readaptação. À guisa desse roteiro, como dito e afirmado, não havendo possibilidade de readaptação, o servidor deverá ser aposentado por invalidez.


              A Súmula 273, portanto, somente veio consolidar entendimento já pacificado no Tribunal de Contas da União, conferindo maior efetividade à figura da readaptação, que passou a ser a alternativa primeira a ser analisada na inspeção médica oficial na hipótese de certificação da incapacidade definitiva do servidor para o exercício de suas funções.




                                      MARIA LÚCIA MIRANDA ALVARES



            


                   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

REQUISITO PARA APOSENTADORIA - CINCO ANOS NO CARGO: ENTENDIMENT0 FIRMADO PELO STF

 Neste mês de abril de 2022, em sede de repercussão geral, o STF firmou a seguinte tese: " A promoção por acesso de servidor a classe distinta na carreira não representa ascensão a cargo diverso daquele em que já estava efetivado, de modo que, para fins de aposentadoria, o prazo mínimo de cinco anos no cargo efetivo, exigido pelo artigo 40, § 1º, inciso III, da Constituição Federal, na redação da Emenda Constitucional 20/1998, e pelos artigos 6º da Emenda Constitucional 41/2003 e 3º da Emenda Constitucional 47/2005, não recomeça a contar pela alteração de classe. ” (Tema 1.207, RE 1.322.195) A tese teve por escopo definir os contornos do requisito para concessão de aposentadoria no RPPS aos servidores albergados pelas regras das Emendas 20/98, 41/2003 e 47/2005 no que tange à exigência de cinco anos no cargo em que se der a aposentadoria.  Embora a referida tese não se confunda com a conferida pelo Tema 578 da Repercussão Geral/STF, que diz respeito ao entendimento acerca da regra

ARTIGO: DA AVERBAÇÃO DO TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO ÀS ENTIDADES PRIVADAS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

         Por Maria Lúcia Miranda Alvares [1]    Resumo 1. Averbação de tempo de serviço prestado a empresas públicas e a sociedades de economia mista federais, integrantes da Administração Indireta, para todos os efeitos legais, com base no art. 100, da Lei nº 8.112, de 1990.  Entendimento consolidado junto ao Tribunal de Contas da União. 2. Cenário Jurídico, em sede doutrinária e jurisprudencial, acerca da dicotomia entre as empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de serviço público e exploradoras de atividade econômica. Considerações.  3. Necessidade de adoção, em face do princípio da isonomia, do entendimento firmado pelo Tribunal de Contas da União, ainda que em sede administrativa. Palavras Chave : averbação, tempo de serviço público e efeitos jurídicos.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO NEGA REGISTRO ÀS APOSENTADORIAS COM PARCELA DE QUINTOS ADQUIRIDOS NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 8/4/1998 A 4/9/2001.

Em que pese a questão dos "quintos" ainda se encontrar aberta para novo julgamento junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), o Tribunal de Contas da União (TCU) tem negado registro a diversas aposentadorias que congregavam a concessão de proventos com parcelas de quintos adquiridas no período entre a edição da Lei nº 9.624/1998, de 8/4/1998, e da MP nº 2.225-48/2001, de 4/9/2001 (v. Acórdãos nº s 5.380/2016, 8.788/2016 e nº 8588/2017 - todos da Segunda Câmara). O TCU não chega a analisar, em cada caso, a origem da concessão - se advinda de decisão judicial ou administrativa - assim como não faz remissão ao fato de a eficácia da decisão proferida no Recurso Extraordinário nº 638.115/Ceará encontrar-se suspensa por efeito de oposição de segundos embargos de declaração. Ou seja, faltou cautela, portanto, ao Órgão de Contas, quanto à avaliação da definitividade da matéria, pois deixou de aguardar o trânsito em julgado da decisão proferida pelo STF para assim esposar sua avali