Pular para o conteúdo principal

QUESTÃO DE ORDEM PRÁTICA 5: READAPTAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO COMO CONDICIONANTE DA CONCESSÃO DA APOSENTADORIA POR INVALIDEZ


PA, 22/05/2012


             O Tribunal de Contas da União aprovou em sessão de 16 de maio de 2012, com publicação no Diário Oficial da União de 18 seguinte (Seção 1, pp. 152 e 167), a Súmula nº 273, que assim enuncia:

A aposentadoria por invalidez só poderá prosperar após a conclusão, por junta médica oficial, no sentido de que o servidor esteja incapacitado definitivamente para o exercício do cargo que ocupa e haja a impossibilidade de ser readaptado em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a respectiva limitação, nos termos do art. 24 da Lei nº 8.112/1990.
               


           Não é demais lembrar que a "Readaptação é a investidura do servidor em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física e mental verificada em inspeção médica" (art. 24 da lei nº 8.112/90), sendo certo que a junta médica constituída para avaliar o servidor, ao se deparar com a incapacidade, deverá verificar, desde logo, se é possível readaptá-lo antes de concluir pela aposentadoria por invalidez.


               Em outras palavras, se o servidor, no curso da vida funcional, ficar impossibilitado, física ou mentalmente, de exercer as atribuições do cargo ocupado, caberá à junta médica definir essa incapacidade e propor, se não o julgar incapaz para o serviço público, a sua readaptação em cargo com atribuições compatíveis com a sua limitação. Por lógico, se a inspeção médica julgar o servidor incapaz para o serviço público deverá propor não a sua readaptação, mas a sua aposentadoria por invalidez. Contudo, a avaliação primeira da junta médica deverá recair na possibilidade ou não de readaptação do servidor.

               A avaliação em favor da readaptação, contudo, deve levar em conta que se trata de hipótese de provimento derivado que comporta investidura do servidor em cargo diverso do exercido, de modo que, em regra, a análise da compatibilidade das limitações físicas e mentais do servidor com o exercício do novo cargo deverá verificar as características exigidas no Estatuto para tal proceder, a saber: o novo cargo deve ter atribuições afins, assim como a habilitação exigida para ingresso, o nível de escolaridade e os vencimentos devem ser equivalentes ao do cargo ocupado. A readaptação também exige, conforme outras formas de provimento, cargo vago, entretanto, a Lei nº 8.112, de 1990, autoriza, na hipótese de inexistência de cargo vago, que o readaptando exerça suas atribuições como excedente até a ocorrência de vaga (§ 2º do art. 24 da Lei nº 8.112/90). 


               Em termos procedimentais, não se pode esquecer que a readaptação dar-se-á por intermédio de ato administrativo específico, cuja publicação autoriza, desde logo, a investidura do servidor no respectivo cargo, cabendo ressaltar que não haverá posse em face da readaptação. À guisa desse roteiro, como dito e afirmado, não havendo possibilidade de readaptação, o servidor deverá ser aposentado por invalidez.


              A Súmula 273, portanto, somente veio consolidar entendimento já pacificado no Tribunal de Contas da União, conferindo maior efetividade à figura da readaptação, que passou a ser a alternativa primeira a ser analisada na inspeção médica oficial na hipótese de certificação da incapacidade definitiva do servidor para o exercício de suas funções.




                                      MARIA LÚCIA MIRANDA ALVARES



            


                   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

REQUISITO PARA APOSENTADORIA - CINCO ANOS NO CARGO: ENTENDIMENT0 FIRMADO PELO STF

 Neste mês de abril de 2022, em sede de repercussão geral, o STF firmou a seguinte tese: " A promoção por acesso de servidor a classe distinta na carreira não representa ascensão a cargo diverso daquele em que já estava efetivado, de modo que, para fins de aposentadoria, o prazo mínimo de cinco anos no cargo efetivo, exigido pelo artigo 40, § 1º, inciso III, da Constituição Federal, na redação da Emenda Constitucional 20/1998, e pelos artigos 6º da Emenda Constitucional 41/2003 e 3º da Emenda Constitucional 47/2005, não recomeça a contar pela alteração de classe. ” (Tema 1.207, RE 1.322.195) A tese teve por escopo definir os contornos do requisito para concessão de aposentadoria no RPPS aos servidores albergados pelas regras das Emendas 20/98, 41/2003 e 47/2005 no que tange à exigência de cinco anos no cargo em que se der a aposentadoria.  Embora a referida tese não se confunda com a conferida pelo Tema 578 da Repercussão Geral/STF, que diz respeito ao entendimento acerca da regra

QUESTÃO DE ORDEM PRÁTICA 3/2012 - DO DIREITO DOS SERVIDORES APROVADOS EM CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE OUTRO CARGO EFETIVO APÓS A INSTITUIÇÃO DO REGIME COMPLEMENTAR DE PREVIDÊNCIA.

PA, 6/4/2012          Enquanto se aguarda a sanção da Presidente da República à Lei que dispõe sobre o Regime de Previdência Complementar dos servidores públicos federais, cujo projeto foi aprovado nas duas Casas do Congresso Nacional [1] , alguns questionamentos brotam dos que podem vir a ser os destinatários diretos da norma: os novos concursados.        É sabido que os  servidores que ingressarem no serviço público após a instituição do Regime de Previdência Complementar (RPC) serão compulsoriamente guindados à sistemática do novo regime, qual seja: estarão sujeitos ao teto de benefício equivalente ao adotado pelo Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Em outras palavras, ingressam no Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) sob o contexto das novas regras e, como tal, passam a gozar do direito a proventos limitados ao patamar fixado para o RGPS, atualmente no valor de R$ 3.916,20. Não têm jus, desta feita, a teto de proventos equivalentes à remuneração da atividade.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO MANTÉM ENTENDIMENTO PELA ILEGALIDADE DE PERCEPÇÃO DE QUINTOS ENTRE 1998 E 2001 AINDA QUE DECORRENTE DE DECISÃO JUDICIAL TRANSITADA EM JULGADO

O Tribunal de Contas da União, em pedido de reexame, se posicionou, mais uma vez, pela negativa de registro de aposentadoria de servidores cujos proventos congregavam parcela de quintos adquiridos até 4/9/2001, ainda que decorrentes de decisão judicial transitada em julgado. Eis o teor do voto condutor da decisão, objeto do Acórdão n º 1502/2018 – TCU – 1ª Câmar a ,   para confronto da tese eleita: "2.                                 O direito à incorporação de quintos já se encontra pacificado e não mais se discute, valendo registrar, a propósito, a tese exarada pelo Supremo Tribunal Federal no RE 638.115, cujo julgamento se deu sob o regime de repercussão geral, na sessão do Plenário realizada em 19/3/2015, publicado no DJe de 3/8/2015, no qual ficou decidido ser indevida a incorporação de quintos de função no período compreendido entre a edição da Lei 9.624/1998, de 2/4/1998, e a Medida Provisória 2.225-45, de 4/9/2001, verbis : “Ofende o princípio da legalidade a d