Pular para o conteúdo principal

2013: O SERVIDOR PÚBLICO E O PRINCÍPIO DA BOA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. NOVAS PERSPECTIVAS

                         
        Quando se fala em servidor público geralmente se está a referir, de forma um tanto quanto pejorativa, àquelas pessoas que não fazem nada e estão com a vida ganha. Não é difícil encontrar público para falar mal do servidor e, por assim dizer, da própria Administração Pública.

         Mas essa visão, é bom que se diga, não é privilégio do Brasil. Em outros países, a retórica é a mesma. Na França, por exemplo, o desenho animado “Os doze trabalhos de Asterix” já retrata o serviço público como algo que enlouquece. O ritualismo seguido a ferro e fogo pelos agentes públicos inviabilizando o resultado perseguido pelo administrado é demonstrado como algo irreversível. E a culpa é do servidor e do que ele produz: o serviço público.

Para modificar esse cenário, não basta criar novos hábitos, é preciso que esses hábitos virem cultura e essa cultura seja assimilada enquanto instituição, perenizando boas práticas administrativas. E o primeiro passo é conhecer:  - quem é o servidor público?

     Conhecer o servidor público enquanto figura jurídica indispensável à materialização da política eleita é preponderante para o compreender o exercício da própria função. E não somente pelo administrado, mas pelo próprio servidor. Não se pode SER servidor sem conhecer e assimilar os direitos e deveres que o cercam diante da gama de relacionamentos que perfazem durante o transcurso da vida funcional. Essa assimilação, contudo, não reside apenas no conhecer, mas no compreender o que lhe é conferido ou exigido por lei para o exercício de tal mister. Para tanto, faz-se imprescindível  tornar visível que a conquista dos direitos e as exigências de deveres não são propriamente vantagens dadas ou regras impostas ao servidor, mas garantias necessárias para a prestação de um serviço público digno a todo cidadão.

   O brotar dessa consciência traz perspectivas positivas para o desenvolvimento do Estado, eis que tem o condão de produzir servidores capazes de pensar nos mecanismo de consecução dos serviços, aprimorando os trabalhos a eles afetos, ao tempo em que reforçam condutas éticas e isolam aqueles que não assumem o compromisso com a gestão pública.

   Em 2013, este Blog pretende trazer bons debates para os servidores e gestores públicos sob o enfoque alinhado, aberto a todos os cidadãos. O momento é de reflexão: 

                                          servidor, mostre a sua cara!

                                                    E FELIZ 2013

  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LICENÇAS SEM REMUNERAÇÃO: DIREITOS E RESTRIÇÕES. BREVES CONSIDERAÇÕES.

                              Por Maria Lúcia Miranda Alvares [1] Resumo : Quando o servidor público é contemplado com a concessão de licença para trato de interesses particulares ou é submetido a outro tipo de licença sem remuneração não imagina que pode estar suprimindo, para o efeito de aposentadoria, um ou mais requisitos que lhe conferem ensejo à implementação das condições prescritas para tal fim; assim como não percebe que esse tipo de licença pode afetar outras áreas de sua relação funcional, de modo que este artigo visa oferecer luzes sobre o tema, trazendo à baila interpretação da legislação alicerçada na jurisprudência pátria. PALAVRAS CHAVE:  licença sem vencimentos; acumulação de cargos; processo disciplinar; abono de permanência; tempo de contribuição; tempo de serviço público. (i) Da Contextualização do tema                 A Constituição e as legislações estatutárias fazem previsão de períodos de interrupção ou suspensão da prestação do serviço em f

ARTIGO: DA CONVERSÃO DA LICENÇA PRÊMIO NÃO GOZADA EM PECÚNIA. DIREITOS ENVOLVIDOS

                            Por Maria Lúcia Miranda Alvares [1] Resumo: O entendimento favorável à conversão da licença-prêmio assiduidade em pecúnia por ocasião da ruptura do vínculo jurídico do servidor público, mormente por ocasião da aposentadoria, tem gerado insatisfações com respeito às teses acolhidas em relação à prescrição do direito e da contagem em dobro para o fim de aposentadoria. Neste trabalho a pretensão é trazer luzes ao debate diante dos posicionamentos oficialmente adotados. Palavras chave: conversão em pecúnia, licença-prêmio assiduidade; tempo de serviço, contagem em dobro, aposentadoria.

PENSÃO EM FAVOR DA FILHA SOLTEIRA: TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO APROVA NOVA SÚMULA

Em recente decisão, o Plenário do Tribunal de Contas da União aprovou novo projeto de súmula sobre a concessão e manutenção da pensão de que trata a Lei nº 3.373, de 1958. A matéria foi por muitos anos objeto de intensos debates e, agora, a renovação da jurisprudência sobre o tema levou o Tribunal de Contas da União à revogação da Súmula 168 e aprovação de nova com o fim de elucidar possíveis controvérsias acerca da concessão e manutenção do benefício que, eventualmente, ainda poderiam subsistir. Vale a leitura do voto condutor da decisão, sob a Relatoria da Ministra Ana Arraes, proferido na sessão de 16 de julho passado: