Pular para o conteúdo principal

2013: O SERVIDOR PÚBLICO E O PRINCÍPIO DA BOA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. NOVAS PERSPECTIVAS

                         
        Quando se fala em servidor público geralmente se está a referir, de forma um tanto quanto pejorativa, àquelas pessoas que não fazem nada e estão com a vida ganha. Não é difícil encontrar público para falar mal do servidor e, por assim dizer, da própria Administração Pública.

         Mas essa visão, é bom que se diga, não é privilégio do Brasil. Em outros países, a retórica é a mesma. Na França, por exemplo, o desenho animado “Os doze trabalhos de Asterix” já retrata o serviço público como algo que enlouquece. O ritualismo seguido a ferro e fogo pelos agentes públicos inviabilizando o resultado perseguido pelo administrado é demonstrado como algo irreversível. E a culpa é do servidor e do que ele produz: o serviço público.

Para modificar esse cenário, não basta criar novos hábitos, é preciso que esses hábitos virem cultura e essa cultura seja assimilada enquanto instituição, perenizando boas práticas administrativas. E o primeiro passo é conhecer:  - quem é o servidor público?

     Conhecer o servidor público enquanto figura jurídica indispensável à materialização da política eleita é preponderante para o compreender o exercício da própria função. E não somente pelo administrado, mas pelo próprio servidor. Não se pode SER servidor sem conhecer e assimilar os direitos e deveres que o cercam diante da gama de relacionamentos que perfazem durante o transcurso da vida funcional. Essa assimilação, contudo, não reside apenas no conhecer, mas no compreender o que lhe é conferido ou exigido por lei para o exercício de tal mister. Para tanto, faz-se imprescindível  tornar visível que a conquista dos direitos e as exigências de deveres não são propriamente vantagens dadas ou regras impostas ao servidor, mas garantias necessárias para a prestação de um serviço público digno a todo cidadão.

   O brotar dessa consciência traz perspectivas positivas para o desenvolvimento do Estado, eis que tem o condão de produzir servidores capazes de pensar nos mecanismo de consecução dos serviços, aprimorando os trabalhos a eles afetos, ao tempo em que reforçam condutas éticas e isolam aqueles que não assumem o compromisso com a gestão pública.

   Em 2013, este Blog pretende trazer bons debates para os servidores e gestores públicos sob o enfoque alinhado, aberto a todos os cidadãos. O momento é de reflexão: 

                                          servidor, mostre a sua cara!

                                                    E FELIZ 2013

  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LICENÇAS SEM REMUNERAÇÃO: DIREITOS E RESTRIÇÕES. BREVES CONSIDERAÇÕES.

                              Por Maria Lúcia Miranda Alvares[1]
Resumo: Quando o servidor público é contemplado com a concessão de licença para trato de interesses particulares ou é submetido a outro tipo de licença sem remuneração não imagina que pode estar suprimindo, para o efeito de aposentadoria, um ou mais requisitos que lhe conferem ensejo à implementação das condições prescritas para tal fim; assim como não percebe que esse tipo de licença pode afetar outras áreas de sua relação funcional, de modo que este artigo visa oferecer luzes sobre o tema, trazendo à baila interpretação da legislação alicerçada na jurisprudência pátria.
PALAVRAS CHAVE:  licença sem vencimentos; acumulação de cargos; processo disciplinar; abono de permanência; tempo de contribuição; tempo de serviço público.

(i) Da Contextualização do tema
                A Constituição e as legislações estatutárias fazem previsão de períodos de interrupção ou suspensão da prestação do serviço em face de motivos relevantes.…

ARTIGO: DA CONVERSÃO DA LICENÇA PRÊMIO NÃO GOZADA EM PECÚNIA. DIREITOS ENVOLVIDOS

Por Maria Lúcia Miranda Alvares[1]

Resumo: O entendimento favorável à conversão da licença-prêmio assiduidade em pecúnia por ocasião da ruptura do vínculo jurídico do servidor público, mormente por ocasião da aposentadoria, tem gerado insatisfações com respeito às teses acolhidas em relação à prescrição do direito e da contagem em dobro para o fim de aposentadoria. Neste trabalho a pretensão é trazer luzes ao debate diante dos posicionamentos oficialmente adotados.
Palavras chave: conversão em pecúnia, licença-prêmio assiduidade; tempo de serviço, contagem em dobro, aposentadoria.

ARTIGO: DA AVERBAÇÃO DO TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO ÀS ENTIDADES PRIVADAS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

         Por Maria Lúcia Miranda Alvares[1] Resumo
1.Averbação de tempo de serviço prestado a empresas públicas e a sociedades de economia mista federais, integrantes da Administração Indireta, para todos os efeitos legais, com base no art. 100, da Lei nº 8.112, de 1990.  Entendimento consolidado junto ao Tribunal de Contas da União. 2. Cenário Jurídico, em sede doutrinária e jurisprudencial, acerca da dicotomia entre as empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de serviço público e exploradoras de atividade econômica. Considerações.  3. Necessidade de adoção, em face do princípio da isonomia, do entendimento firmado pelo Tribunal de Contas da União, ainda que em sede administrativa.
Palavras Chave: averbação, tempo de serviço público e efeitos jurídicos.