Pular para o conteúdo principal

QUESTÃO DE ORDEM PRÁTICA 3/2012 - DO DIREITO DOS SERVIDORES APROVADOS EM CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE OUTRO CARGO EFETIVO APÓS A INSTITUIÇÃO DO REGIME COMPLEMENTAR DE PREVIDÊNCIA.


PA, 6/4/2012

        Enquanto se aguarda a sanção da Presidente da República à Lei que dispõe sobre o Regime de Previdência Complementar dos servidores públicos federais, cujo projeto foi aprovado nas duas Casas do Congresso Nacional[1], alguns questionamentos brotam dos que podem vir a ser os destinatários diretos da norma: os novos concursados.


       É sabido que os  servidores que ingressarem no serviço público após a instituição do Regime de Previdência Complementar (RPC) serão compulsoriamente guindados à sistemática do novo regime, qual seja: estarão sujeitos ao teto de benefício equivalente ao adotado pelo Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Em outras palavras, ingressam no Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) sob o contexto das novas regras e, como tal, passam a gozar do direito a proventos limitados ao patamar fixado para o RGPS, atualmente no valor de R$ 3.916,20. Não têm jus, desta feita, a teto de proventos equivalentes à remuneração da atividade. Para ganhar mais na inatividade, portanto, terão que aderir a um dos planos de benefícios do RPC e contribuir para tanto.

        De qualquer sorte, ainda que assim seja, a cotização obrigatória para o RPPS na feição pós Regime de Previdência Complementar – ainda na alíquota de 11% - será limitada ao teto do referido benefício, não mais incidindo sobre a remuneração total do servidor, como outrora.

          Nesse patamar de funcionalidade, advém a indagação: ­se um servidor detentor de cargo público efetivo vir a lograr êxito em concurso público para provimento de outro cargo, cujo provimento dar-se-á após a instituição do correspondente regime previdenciário complementar, será ele guindado compulsoriamente às novas regras?

         A resposta é negativa e o fundamento se depreende do próprio texto da Carta Maior, então observado no escopo do Projeto de Lei da Câmara nº 2/2012 (nº 1992/2007, da Casa de origem), aprovado pelo Senado Federal.
             
                  A saber:

          O § 16 do Art. 40 da Constituição, com a redação da Emenda Constitucional nº 20/98, assim dispõe:
                                         
“§ 16. Somente mediante sua prévia e expressa opção, o disposto nos §§ 14 e 15 poderá ser aplicado ao servidor que tiver ingressado no serviço público até a data da publicação do ato de instituição do correspondente regime de previdência complementar.” (o grifo não consta do original)

                           Por sua vez, o Projeto de Lei da Câmara nº 2/2012, aprovado pelo Senado Federal, que seguiu para sanção da Presidência da República, dispõe o seguinte:


Art. 3º Aplica-se o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social às aposentadorias e pensões a serem concedidas pelo regime de previdência da União de que trata o art. 40 da Constituição, observado o disposto na Lei nº 10.887, de 18 de junho de 2004, aos servidores e membros referidos no caput do art. 1º desta Lei que tiverem ingressado no serviço público:

I – a partir do início de vigência do regime de previdência complementar de que trata o art. 1º desta Lei, independentemente de sua adesão ao plano de benefícios, e

II – até a data anterior à do início da vigência do regime de previdência de que trata o art. 1º desta Lei, e nele tenham permanecido sem perda do vínculo efetivo, e que exerçam a opção prevista no § 16 do art. 40 da Constituição.

§ 1º É assegurado aos servidores e membros referidos no inciso II do caput deste artigo o direito a um benefício especial calculado com base nas contribuições recolhidas ao regime de previdência da União, do Estado, Distrito Federal ou Município de que trata o art. 40 da Constituição, observada a sistemática estabelecida nos §§ 2º e 3º deste artigo e o direito à compensação financeira de que trata o art. 9º do art. 201 da Constituição, nos termos da lei.” (o grifo não consta do original)


             Evidencia-se que os servidores que ingressaram no serviço público antes da vigência do RPC, e nele tenham permanecido sem perda de vínculo, podem ingressar no novo sistema por opção. Não existe obrigatoriedade para esse ingresso. Entretanto, não é demais lembrar que o ingresso no serviço público a que se refere o texto constitucional diz respeito ao provimento de cargo público efetivo vinculado ao RPPS de que trata o Art. 40 da Carta Maior, assim como o Projeto de Lei da Câmara nº 2/2012 cuida do RPC dos servidores públicos da esfera federal. Nessa esteira de raciocínio, o servidor público federal, vinculado ao RPPS, que lograr êxito em concurso público para provimento de outro cargo efetivo também da esfera federal após a instituição do RPC, manterá direito à opção pela sistemática a ser inaugurada com a implantação do RPC, desde que não tenha havido quebra da continuidade do vínculo jurídico e previdenciário a que estava subordinado.
          
           Em relação aos servidores egressos de outra esfera de governo, embora a situação seja equivalente por força da constitucionalidade das regras aplicáveis ao RPPS, existem algumas nuances que devem ser observadas, dentre as quais a relativa à prerrogativa de que dispõem os próprios entes federados de instituir regime de previdência complementar aos seus respectivos servidores. Por certo, como ficou registrado alhures, o § 16 do art. 40 da Constituição confere direito à opção para quem ingressou no serviço público antes da edição do correspondente regime de previdência complementar, de modo que é preciso saber, para concessão do direito ao servidor oriundo de cargo público de outro ente federado, e que ingressou na esfera federal a partir da instituição do RPC, se o ente federado ao qual estava vinculado instituiu o RPC para seus servidores e quando assim o fez. Se o servidor for oriundo de cargo público pertencente a ente federado que ainda não tenha instituído o RPC ou tenha ingressado antes de sua instituição, há que lhe ser garantida a equivalência de tratamento nos moldes da conotação emprestada pelo Art. 22 do próprio Projeto aprovado. Vale a reprodução. Ei-lo:

“Art. 22. Aplica-se o benefício especial de que tratam os §§ 1º a 8º do art. 3º ao servidor público titular de cargo efetivo da União, inclusive ao membro do Poder Judiciário, do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União, oriundo, sem quebra de continuidade, de cargo público estatutário de outro ente da federação que não tenha instituído o respectivo regime de previdência complementar e que ingresse em cargo público efetivo federal a partir da instituição do regime de previdência complementar de que trata esta Lei, considerando-se, para esse fim, o tempo de contribuição estadual, distrital ou municipal, assegurada a compensação financeira de que trata o § 9º do art. 201 da Constituição Federal.”

        Em síntese, os servidores egressos do regime de cargos, que ora estavam sujeitos às regras do RPPS - nos termos do art. 40 da Constituição – e tenham obtido aprovação em concurso público na esfera federal a partir da instituição do Regime de Previdência Complementar em comento, não estão sujeitos às novas regras de forma compulsória desde que: (i) não tenha havido perda do vínculo jurídico com o regime anterior, ou seja, não tenha havido quebra de continuidade da relação estatutária e previdenciária a que se encontravam submetidos por efeito do cargo anteriormente ocupado e o novo; e, (ii) em sendo servidor estatutário oriundo de outra esfera de governo, não tenha o referido ente da federação instituído, antes do ingresso no cargo, o respectivo regime de previdência complementar, desta feita para o fim a que se refere o art. 22 da futura legislação que cuidará da matéria, salvo hipótese de incidência de veto presidencial sobre o referido dispositivo.

             
      MARIA LÚCIA MIRANDA ALVARES


 O Senado aprovou o Projeto de Lei nº 2/2012 da Câmara dos Deputados em 28 de março de 2012.
 v. Questão Prática nº 1/2012, neste Blog.

Comentários

  1. Excelente e elucidativo texto, Dra. Lúcia. Estava exatamente com essa dúvida, agora esclarecida. Vale uma nova edição, revista e ampliada, do seu livro sobre o RPPS.

    ResponderExcluir
  2. Ótima orientação. Tenho outra dúvida: Minha vida profissional:
    1) Prefeitura: 3 meses (1986)
    2) Secretaria da Educação de SP: 3 anos e 3 meses (1989 a 1994)
    3) Fundação pública Estadual - SP - 5 anos (2001 a 2006 - celetista)
    4) Secretaria da Fazenda de SP - 2 anos (jan/2012 - atual)
    5) Vários empregos privados - CLT nos intervalos dos serviços públicos acima.

    Na vigência de meu exercício do trabalho 4) foi instituída a previdência complementar do Estado de SP

    Se eu assumir um cargo federal hoje, sem quebra de vínculo com o serviço público, mesmo sendo de esferas diferentes, poderei fazer jus a aposentadoria integral e paritária, cumprindo o tempo de 30 anos de contribuição, 55 anos de idade, 20 no serviço público (que pode ser de todas as esferas, inclusive celetista 3) ?). Agradeço a grande ajuda para eu me decidir.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

LICENÇAS SEM REMUNERAÇÃO: DIREITOS E RESTRIÇÕES. BREVES CONSIDERAÇÕES.

                              Por Maria Lúcia Miranda Alvares[1]
Resumo: Quando o servidor público é contemplado com a concessão de licença para trato de interesses particulares ou é submetido a outro tipo de licença sem remuneração não imagina que pode estar suprimindo, para o efeito de aposentadoria, um ou mais requisitos que lhe conferem ensejo à implementação das condições prescritas para tal fim; assim como não percebe que esse tipo de licença pode afetar outras áreas de sua relação funcional, de modo que este artigo visa oferecer luzes sobre o tema, trazendo à baila interpretação da legislação alicerçada na jurisprudência pátria.
PALAVRAS CHAVE:  licença sem vencimentos; acumulação de cargos; processo disciplinar; abono de permanência; tempo de contribuição; tempo de serviço público.

(i) Da Contextualização do tema
                A Constituição e as legislações estatutárias fazem previsão de períodos de interrupção ou suspensão da prestação do serviço em face de motivos relevantes.…

PENSÃO EM FAVOR DA FILHA SOLTEIRA: TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO APROVA NOVA SÚMULA

Em recente decisão, o Plenário do Tribunal de Contas da União aprovou novo projeto de súmula sobre a concessão e manutenção da pensão de que trata a Lei nº 3.373, de 1958.
A matéria foi por muitos anos objeto de intensos debates e, agora, a renovação da jurisprudência sobre o tema levou o Tribunal de Contas da União à revogação da Súmula 168 e aprovação de nova com o fim de elucidar possíveis controvérsias acerca da concessão e manutenção do benefício que, eventualmente, ainda poderiam subsistir. Vale a leitura do voto condutor da decisão, sob a Relatoria da Ministra Ana Arraes, proferido na sessão de 16 de julho passado:

ARTIGO: DA AVERBAÇÃO DO TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO ÀS ENTIDADES PRIVADAS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

         Por Maria Lúcia Miranda Alvares[1] Resumo
1.Averbação de tempo de serviço prestado a empresas públicas e a sociedades de economia mista federais, integrantes da Administração Indireta, para todos os efeitos legais, com base no art. 100, da Lei nº 8.112, de 1990.  Entendimento consolidado junto ao Tribunal de Contas da União. 2. Cenário Jurídico, em sede doutrinária e jurisprudencial, acerca da dicotomia entre as empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de serviço público e exploradoras de atividade econômica. Considerações.  3. Necessidade de adoção, em face do princípio da isonomia, do entendimento firmado pelo Tribunal de Contas da União, ainda que em sede administrativa.
Palavras Chave: averbação, tempo de serviço público e efeitos jurídicos.